Páginas

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Usina Barão de Suassuna






                    Em 1877 foi fundada  a Usina Barão de Suassuna, na época denominada de Usina Mameluco, pelo Tenente- Coronel Antonio Marques de Holanda Cavalcanti. Anteriormente era um engenho também denominado de Mameluco. Próximo a este engenho, situa-se o Engenho Limoeiro, cujo proprietário era o Barão de Escada, Belmiro da Silveira Lins, que em 1880 foi assassinado em Vitória de Santo Antão.  Em 1881,  com este engenho, o Barão de Suassuna passou a possuir duas Usinas: Mameluco e Limoeirinho. Mameluco Herdado do pai, e Limoeirinho fundada por ele, e reformada também por ele, em 1910. Em 1929, a Usina Mameluco já possuía 10 propriedades agrícolas e 34 fornecedores de cana, onde o Engenho Cachoeirinha se destacava por ser pioneiro no plantio de sementes por meio de flexas. Tinha capacidade para produzir 5.000( cinco mil) litros de álcool e processar 500 toneladas de cana. Apenas 50 trabalhadores atuavam durante a moagem. Mantinha uma associaçao beneficente  e três escolas com média de 115 alunos matriculados por ano. Sua via férrea tinha 70 Km, cuja estação ficava a sudeste da sede, e denominava-se " Estação Limoeiro" e mais tarde, Estação Barão de Suassuna", situada no Km 64, na linha Sul.  Esta era uma junção de três ferrovias: A estrada ferroviária Recife ao São Francisco inaugurada entre 1858 e 1862. (A segunda ferrovia aberta bo Brasil); a estrada ferroviária sul de Pernambuco, entre 1882 e 1894, e a estação ferroviária central de Alagoas, inaugurada em trechos entre 1871 e 1884. A primeira ligava Recife a Una( hoje Palmares); a segunda ligava Una a Imperatriz ( hoje União dos Palmares); e a terceira Imperatriz a Maceió. A linha Sul que corre de Leste a Sudeste do município, passava pela Estação de Limoeiro, frexeiras e Escada (Sede do município) e Timbó-Açu.
                Em 1941, Morre o Barão de Suassuna aos 87 anos de idade, deixando suas usinas, Mameluco e Limoeirinho, como herança para seu sobrinho Paulo Fonseca de Lima, médico. Ainda na década de 40, foram repassadas para o Sr. Jayme Loyo e filhos. Daí a algum tempo, uma grande crise se abateu sobre a Usina, sendo necessário intervenção do IAA- Instituto do Açucar e do Álcool.   Superada a crise, os proprietários voltaram a administrá-la. Com o Tempo Mameluco absorveu Limoeirinho, passando a denomina-se "Usina Barão de Suassuna" em homenagem ao seu antigo dono.

Livro: Escada, Riqueza de Pernambuco.
Autor: José Luis Minduca.

16 comentários:

  1. eu trabalhei muito na usina Barao em 1995 gotei muito

    ResponderExcluir
  2. sou neta de Odeto Suassuna e por tanto parente do barão de suassuna.

    ResponderExcluir
  3. Para começar, tio Henrique o Barão de Suassuna como todos o chamavam la em casa, na casa grande do Espinheiro, morreu em 44 ninguém melhor qui a família sabe, tio Henrique tinha 7 irmãs, sendo o mesmo único rebento masculino!!! Vovó Anna Rita de Holanda cavalcanti, era a irmã caçula do mesmo, seu pai deu em vida a sua deleta filha de papel passado no cartório de escada o Engenho mameluco, motivo esse qui o pai de Vovó Coronel Antônio de Holanda Cavalcanti, mais conhecido como o Barão de Mameluco notava um certo desdem dos outros filhos por ser Vovó filha do seu segundo casamento, em seguida lhe deu um luxuoso solar na praça Maciel Pinheiro, graças a Deus esse ficou com ela, já o Engenho mameluco por morte do seu pai, os documentos sumiram da capela privada do engenho Mameluco onde estavam escondido debaixo de 7 chaves e onde ela foi batizada. Casou Vovó com seu primo Advogado,Deputado estadual e dono do Engenho são João na época e assim passou a se chamar Anna Rita Gonçalves de Rocha, a Baronesa do Espinheiro por seu irmão o Barão de Suassuna anos mais tarde, quando as m´goas esfriaram, e lhe presenteou com belo solar na rua Santo Elias 288 no espinheiro,apólices,ações da Usina, do moinho recife, o Engenho Taquara apos a sociedade anônima Usina Barão de Suassuna. agora vocês se perguntam, porquê eu fui parar nessa casa tão poderosa??? Helena, Maria Rita, Celina eram as filhas solteiras de Vovó, me criaram como um filho e ganhei o ódio dos parentes mais próximos, quando as mesmas se manifestaram, me fazer herdeiro delas. segundo se comentava lá em casa, não diziam todos mas uma boa parte deles, se deitavam com as mucamas dos Engenhos , Usina etc e tal.Deus sabe o quanto sofri na mão de uma sobrinha de Vovó, de nego e cachorro preto me jogava na cara!!! mas Deus é grade tô bem # fredjoyasociety

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helena Gonçalves da Rocha, Dr Maria G. Rocha(contadora) Dr Celina G Rocha(Bacharelando em comercio)as quais eu chamava de mãe Lena, Mãe Lia e Tia Celina. noto qui vocês não gostam qui as chamem de doutoras ser formado não é crime ou vcs tem raiva de quem??? outro detalhe, já citaram o Engenho taquara como se tio Henrique tivesse dado a ela em vida, por morte do mesmo no escuro testamento taquara veio para suas mãos, pois Mameluco dado por seu pai em vida e papel passado no cartório em Escada sumiu da casa grande do Engenho Mameluco, vovó Anna Rita foi ao cartório lá de Escada e os documentos também sumiram!!! Isso vocês não falam escondem a verdade, e boicotam tudo qui digo, pois Tia celina me contava tudo a lama podre de lá.

      Excluir
  4. Tôo cansado, o relógio tá marcando 04:03 outro dia eu falo mais, eu tenho cartas qui não foram enviadas ao Barão de Suassuna, escrita pela mão de Vovó até outro dia, viajo logo mas as 10 horas vou cair no forró de Campina Grande!!!! # fredjoyasociety

    ResponderExcluir
  5. Tá faltando outra postagem minha não sei onde foi para,essa postagem de cima quando se comentava lá em casa, mas não diziam a todos, qui uma boa parte dos sobrinhos do Barão, os rebentos masculinos se deitavam com as mucamas e as mesmas tiveram filhos, mulatos negros, mamelucos etc e tal. só qui tudo passa na vida não o poder de Deus!!! mas se Deus foi por mim quem será contra, fredjoyasociety

    ResponderExcluir
  6. A verdade só é uma, não sou robô, quando morrer nem múmia serei vocês ficam co essa insistência de robô!!! sou transparente, se vocês tivessem a intuição mais apurada já teriam entendido meu modo de escrever e me expressar!!! boa noite galera amiga!!!

    ResponderExcluir
  7. Aguardem meu livro, tio Henrique o Barão de Suassuna, não morreu em 41 erro-Mameluco sempre foi engenho, só ganhou o nome de usina quando o barão tomou o poder pela morte do seu pai e fundou a mesma, e tantos outros erros gritantes de quem diz resgatar a história de Escada, é preciso ter um certo grau de estudo, se precisam de ajuda estou a disposição, o qui não pode é distorcer a história tal qual foi doa em quem doer!!!

    ResponderExcluir
  8. Aguardem meu livro, tio Henrique o Barão de Suassuna, não morreu em 41 erro-Mameluco sempre foi engenho, só ganhou o nome de usina quando o barão tomou o poder pela morte do seu pai e fundou a mesma, e tantos outros erros gritantes de quem diz resgatar a história de Escada, é preciso ter um certo grau de estudo, se precisam de ajuda estou a disposição, o qui não pode é distorcer a história tal qual foi doa em quem doer!!!

    ResponderExcluir
  9. fredjoyasociety31 de março de 2015 13:29 --> Que ótimo que você pode corrigir o erro e contar a História verdadeira. Estive na casa do meu padrinho, que não lembro o nome, na década de cinquenta quando era menino. O meu padrinho (negro) era trabalhador da Usina Mameluco.

    ResponderExcluir
  10. fredjoyasociety31 de março de 2015 13:29 --> Que ótimo que você pode corrigir o erro e contar a História verdadeira. Estive na casa do meu padrinho, que não lembro o nome, na década de cinquenta quando era menino. O meu padrinho (negro) era trabalhador da Usina Mameluco.

    ResponderExcluir
  11. Não conto história, sim a verdade mas notei qui vocês me boicotam e não tenho tempo para perder com pessoa desinformadas!!! Quanto ao seu padrinho não posso informar, eu não me misturava aos empregados elas não deixavam talvez isso incomodo vocês e me desprezam porem quem nasceu para senzala é dá senzala!!! se é qui tem nome procure nas cercanias dá usina ou nos bairros periféricos alguma informação sobre seu padrinho e o nome!!! nunca é tarde para pesquisar e cada macaco no seu galho, vocês não estão aptos a lidar com esse idôneo trabalho. E lastimável esse instituto de pesquisa sociais em vez de ouvir a verdade zomba!!!

    ResponderExcluir
  12. Meu último comentário, jamais me envolverei com vocês, não são fidalgos!!!

    ResponderExcluir
  13. Meu último comentário, jamais me envolverei com vocês, não são fidalgos!!!

    ResponderExcluir
  14. Não conto história, sim a verdade mas notei qui vocês me boicotam e não tenho tempo para perder com pessoa desinformadas!!! Quanto ao seu padrinho não posso informar, eu não me misturava aos empregados elas não deixavam talvez isso incomodo vocês e me desprezam porem quem nasceu para senzala é dá senzala!!! se é qui tem nome procure nas cercanias dá usina ou nos bairros periféricos alguma informação sobre seu padrinho e o nome!!! nunca é tarde para pesquisar e cada macaco no seu galho, vocês não estão aptos a lidar com esse idôneo trabalho. E lastimável esse instituto de pesquisa sociais em vez de ouvir a verdade zomba!!!

    ResponderExcluir
  15. Olá fredjoyasociety. Poderia entrar em contato comigo (ducguedes@hotmail.com) ou deixar o seu contato? Minha mãe está pesquisando sobre os antepassados da nossa família e temos em comum o engenho Taquara, que foi vendido depois que seu avô morreu em 1932. O engenho taquara pertenceu ao seu avô Epitácio Valença e Silva até essa data. Gostaria de saber um pouco mais da história desse engenho que acho que é o mesmo do qual você fala. Obrigado pela atenção.

    ResponderExcluir